Make your own free website on Tripod.com
Notícias | Ferrovias | Estações | Locomotivas | Diesel | Vapor | Elétricas | Carros | Vagões | TUs | Modelos | Maquetes | História do hobby | Iniciantes | Cartas | Revista | Índice | Help | Links | E-mail | English | Home

A Vale entra na briga para valer | Conforto, eficiência e segurança... | Tirando o chapéu para o trem da Vale | "Cartão de visita" | Locomotivas da Vale

A Vale entra na briga para valer

Colaboraram: José Emílio Buzelin e Nilo Milagres F. — Centro-Oeste n° 84 — 1°--nov-1993

Com passagens na faixa de Cr$ 340 a Cr$ 1.000 — contra Cr$ 1.390 dos ônibus interestaduais — a Cia. Vale do Rio Doce inaugurou em Set/27 seu trem de passageiros ligando diariamente Belo Horizonte ao litoral do Espírito Santo, através da EF Vitória a Minas.

A inauguração foi divulgada maciçamente nos jornais e emissoras de rádio e TV de Belo Horizonte e Vitória, no horário nobre, além de kits de imprensa com informações e fotos a cores. Os jornais responderam com amplo noticiário do evento. Só no "Estado de Minas", as fotos da Vale tomaram a primeira página na véspera, domingo; a capa do caderno de turismo na quinta, 23; e a primeira página do caderno de cidades no domingo anterior, 19.

O trem da Vale parte diariamente de Belo Horizonte às 8h, com chegada às 21h40; e de Vitória às 7h com chegada à capital mineira às 20h40.

No dia da inauguração a passagem de 1ª classe custava Cr$ 1.000 e a de 2ª classe, Cr$ 680. O valor cai à metade para crianças de 4 a 12 anos — crianças de até 3 anos não pagam passagem.

Os bilhetes podem ser adquiridos com até 10 dias de antecedência. Em Belo Horizonte a partida é da antiga estação da Central do Brasil, à R. Aarão Reis, 423, Pça. da Estação, onde 2 guichês atendem das 6h às 18h. Um folheto a cores é distribuído ao usuário e anúncios nos jornais convidam os mineiros a solicitarem maiores informações pelo telefone 031-201-8813.

Em Vitória, o trem parte da estação de Pedro Nolasco.

A composição é formada por 2 locomotivas G-12 ligadas ao controle de tráfego por microondas; carro bagageiro; 5 carros de 1ª classe (80 lugares cada); 5 carros de 2ª (80 lugares cada); e 1 carro lanchonete com cardápio variado. Nas estações ao longo da linha também são vendidas marmitex.

A operação do trecho é feita por pessoal com treinamento especializado, com capacidade inclusive para prestar primeiros socorros, em comunicação entre si e com a cabine do maquinista através de walkie-talkies.

O carro-bagagem leva animais de estimação, bicicletas e motos. A Vale anuncia, para breve, transportar até os automóveis dos passageiros.

Em 1994 serão acrescentados 4 carros especiais, com ar condicionado e conforto dos trens do Primeiro Mundo. O limite da composição é de 18 carros.

Nos feriadões e épocas de grande demanda, a Vale anuncia que colocará em circulação composições noturnas, duplicando a capacidade da linha para 43,2 mil passageiros por mês.

O trem da Vale já é tradicional no trecho de Vitória a Itabira, onde transporta 1,4 milhão de passageiros por ano. A expectativa é de aumentar este número em 30%. Muitos usuários do trecho Vitória a Itabira provinham ou destinavam-se a BH.

 
Horários da linha Belo Horizonte a Vitória
Descrições
P-01 VT–BH
P-02 BH–VT
Km
Estação
Chega
Parte
Chega
Parte
0
Pedro Nolasco
7h00
21h40
6
Flexal
21h27
21h28
51
Fundão
7h58
7h59
20h41
20h42
66
Aricanga
8h15
8h16
20h24
20h25
75
Piraqueaçu
8h27
8h28
20h12
20h13
109
Maria Ortiz
9h04
9h05
19h35
19h36
132
Colatina
9h29
9h32
19h08
19h11
152
Itapina
9h53
9h54
18h46
18h47
164
Mascarenhas
10h07
10h08
18h32
18h33
175
Baixo Guandu
10h20
10h23
18h17
18h20
180
Aimorés
10h30
10h33
18h07
18h10
201
Itueta
10h55
10h56
17h44
17h45
216
Resplendor
11h12
11h15
17h25
17h28
232
Crenaque
11h32
11h33
17h07
17h08
249
Cons. Pena
11h50
11h53
16,47
16h50
262
B. do Cuieté
12h07
12h08
16h32
16h33
270
S. Tomé R. Doce
12h17
12h18
16h22
16h23
282
Tumiritinga
12h31
12h32
16h08
16h09
325
Gov. Valadares
13h16
13h25
15h15
15h24
361
Pedra Corrida
14h02
14h03
14h37
14h38
374
Periquito
14h17
14h18
14h22
14h23
388
Naque
14h33
14h34
14h06
14h07
399
Frederico Sellow
14h46
14h47
13h53
13h54
416
Ipaba
15h05
15h06
13h34
13h35
436
Int. Câmara
15h27
15h30
13h10
13h13
449
Mário Carvalho
15h44
15h47
12h53
12h56
482
Antônio Dias
16h23
16h24
12h16
12h17
507
Des. Drumond
16h52
16h54
11h46
11h48
529
João Monlevade
17h21
17h23
11h17
11h19
543
R. Piracicaba
17h38
17h40
11h00
11h02
582
Santa Bárbara
18h32
18h34
10h06
10h08
593
Barão de Cocais
18h50
18h52
9h50
9h52
664
Belo Horizonte
20h40
8h00

A Vale afirma que o serviço não é lucrativo. Seja como for, é um excelente cartão de apresentação ao grande público. E há muito para ser visto.

A EFVM é quase totalmente duplicada, com travessões ligando uma linha à outra a cada 7 km, formando blocos de linha operados por cabines duplamente ligadas à sala de controle em Vitória (por microondas e por cabo coaxial). Também as locos são ligadas ao controle de tráfego, de onde recebem as instruções de marcha.

Se o maquinista desobedece às ordens, o computador corta automaticamente o motor da locomotiva.

Tudo isso permite que já há 10 anos a ferrovia operasse 40 trens diários de minério, 4 de passageiros e 12 de carga geral nas duas direções (ver Informativo Frateschi n° 24, de 83/Jan-Fev).

Está em andamento o plantio de 13 milhões de mudas de árvores numa faixa média de 30 metros de cada lado da estrada de ferro, para atenuar problemas de erosão, fogo, ruído e poeira.

Seria um crime, dedicar tanta qualidade só aos trens de minério.

A Vale entra na briga para valer | Conforto, eficiência e segurança... | Tirando o chapéu para o trem da Vale | "Cartão de visita" | Locomotivas da Vale

News | Railroads | Stations | Locomotives | Diesel | Steam | Electric | Passengers | Freight | Unit trains | Models | Model railroads | Hobby in Brazil | Beginners | Letters | Issues | Table of matters | Help | Links | E-mail | Português | Home