Make your own free website on Tripod.com
Notícias | Ferrovias | Estações | Locomotivas | Diesel | Vapor | Elétricas | Carros | Vagões | TUs | Modelos | Maquetes | História do hobby | Iniciantes | Cartas | Revista | Índice | Help | Links | E-mail | English | Home


Dormitórios cabine-dupla no viaduto de acesso ao Horto, Belo Horizonte, MG, set-1981. Observe as "janelas de aço", facilmente visíveis; e os corrimãos cromados por trás das "janelas de vidro". Foto: José Emílio Buzelin

As inscrições dos carros de aço Budd | Tabela III – Carros Budd da EFCB | Os carros Budd da Central | "Dois clássicos..." | Notas para o detalhamento dos novos carros Frateschi | Inscrições da Central | O projeto Budd | Dever de casa

O projeto Budd

José Emílio Buzelin — Centro-Oeste n° 81 — 1°-ago-1993

Por um desses desencontros — como diz o Centro-Oeste —, deixei de fornecer à Frateschi as plantas corretas do carro-dormitório, anos atrás, quando escrevi ao Celso reivindicando o lançamento dos novos carros.

Ele afirmou possuir, já em 1982, o detalhamento completo para o lançamento dos carros dormitório e salão. Não me ocorreu que a Frateschi não dispusesse das plantas corretas.

Escrevi em 1988 à Transit America, sucessora da Budd, e recebi de mr. William Heisler uma resposta muito atenciosa informando que, no caso específico destes carros, eu deveria contactar a Bombardier do Canadá, cujo endereço me forneceu. Fiz isto, e mr. Vincent Klingler, da Bombardier do Canadá, solicitou à Bombardier dos EUA as cópias das plantas originais, que me remeteu em seguida.

Os carros foram recebidos pela Central do Brasil em 1950, mas desde 1947 os projetos já estavam prontos para execução, na Budd. A sequência de plantas (drawings) originais da Budd para o carro dormitório-cabine (double-bedroom) atende à série 035-9641.

Certamente a Central teve acesso aos desenhos originais, transferindo-os para o formato reduzido (A4) ainda na década de 1950, com revisão em 1961.

Mas, no caso específico deste carro-dormitório, o desenho A4 não foi feito de acordo com o projeto da Budd — e nem mesmo de acordo com os protótipos recebidos pela Central, que aliás, coincidem com o projeto original.

O desenho A4 da RFFSA / Central, 1950 (revisão 1961), mostra 12 janelas de vidro na lateral do corredor — que desta forma seria super-iluminado —; e apenas 7 janelas na lateral das 12 cabines. A ser verdade, nada menos do que 5 cabines ficariam sem janela!


Acima – Esquema do dormitório cabine dupla, segundo a planta A4 (equivocada) da Central do Brasil. O corredor teria 12 janelas, enquanto 5 cabines de passageiros — bem como a do camareiro — ficariam às escuras e a janelinha seria do WC do corredor. Desenho fora de escala.

Abaixo – Verdadeira disposição do carro de cabine dupla, conforme o protótipo e também conforme o projeto original da Budd. O corredor tem 6 janelas igualmente espaçadas, afastadas da porta lateral. Do outro lado, cada uma das 12 cabines tem uma janela, e a janelinha serve à cabine do camareiro. Estando o corredor à direita do maquinista, as portas laterais ficam na parte de trás do carro. Desenho fora de escala

Digo janelas de vidro, porque a estrutura lateral era fabricada pela Budd com vãos para todas as janelas.

Nos casos necessários, os vãos em excesso eram fechados — de fábrica — com chapas de aço rebitadas pelo sistema shotweld (solda-ponto em aço inox).

Na maioria das fotos, mal se percebe a existência dessas janelas de aço.

Seria o equivalente dos buracos encontrados no painel de um automóvel, para instalação de acessórios de luxo. Nas versões populares do mesmo modelo, a indústria automobilística fecha aqueles buracos com algumas peças apropriadas, de fábrica.

No Brasil, algumas dessas janelas de aço Budd tiveram sua fixação apenas reforçada com parafusos.

Das 7 janelas mostradas pelo desenho A4 da Central, apenas a mais distante da porta lateral coincide com a posição de 1 das 6 janelas que realmente existem — desde que se olhe a imagem invertida num espelho.

Analisando fotografias do protótipo, veremos que as 6 janelas são espaçadas com absoluta regularidade, a boa distância da porta lateral.

Na planta da Central, ao contrário, 6 janelas parecem centralizadas na lateral do carro, e a 7ª como que equilibra a porta existente na outra extremidade.

O modelo Frateschi do carro-dormitório concorda com a vista lateral mostrada na planta A4 da Central do Brasil — 7 janelas para as 12 cabines, e 12 janelas para o corredor.

À primeira vista, podemos pensar que basta inverter a decoração interna do modelo, para que as 12 cabines tenham suas 12 janelas.

E de fato, é o que a maioria dos modelistas poderá fazer.

Com esta solução, teremos apenas 2 problemas, que para a maioria provavelmente não terá grande significação:

As inscrições dos carros de aço Budd | Tabela III – Carros Budd da EFCB | Os carros Budd da Central | "Dois clássicos..." | Notas para o detalhamento dos novos carros Frateschi | Inscrições da Central | O projeto Budd | Dever de casa

News | Railroads | Stations | Locomotives | Diesel | Steam | Electric | Passengers | Freight | Unit trains | Models | Model railroads | Hobby in Brazil | Beginners | Letters | Issues | Table of matters | Help | Links | E-mail | Português | Home